O começo

Em 2011 e 2012 a artista muda-se com a família para São Francisco, Califórnia, acompanhando o marido. O trabalho dos Beautiful Losers e do artista californiano Berry Mcgee, foram a primeira fonte de inspiração para o projeto.Já de volta a São Paulo, em 2012, a artista começa a pintar garrafas de vinho com tinta spray e, após secagem, desenha e/ou pinta sobre a superfície da garrafa utilizando canetas e tintas acrílicas. As garrafas são assinadas e transformam-se em obras de arte. Além da sua assinatura, a artista também escreve em cada peça: #desenhosengarrafados.Após algumas semanas, já com alguma quantidade de garrafas pintadas, começa a colocá-las nas ruas de São Paulo, em lugares por onde passa, e registra o ato com um smartphone. As fotos são postadas imediatamente no perfil da artista da rede social instagram com a hashtag #desenhosengarrafados.

Fases do projeto #desenhosengarrafados

Fase #1 – Desejo
A primeira fase do projeto se denomina Desejo. Trata-se de um trabalho afetivo, em primeira pessoa. As cores de tinta spray não são escolhidas propositalmente, todo o processo de transformação da garrafa em #desenhoengarrafado é orgânico. Após a secagem, são utilizadas também cores de tinta acrílica e então se inicia a produção de um desenho ou pintura. Os desenhos não são premeditados, ou seja, não existe nenhum estudo anterior ao desenho final que vai ser produzido na garrafa. Os desenhos se revelam em linhas aleatórias ou em contornos de alguma figura. Geralmente, surgem figuras que se relacionam com a vivência da artista. Essa produção se realiza no espaço do atelier, de modo solitário e sem maiores influências externas. A artista apenas sofre a influência própria de sua rotina e dinâmica diária. Após finalização do processo de produção de desenhos, a garrafa é assinada e também é escrita a hashtag #desenhosengarrafados. O objeto garrafa se transforma ao perder a sua utilidade, ou seja, a de um objeto que contém algum tipo de líquido. Esvazia-se de sua utilidade e pode ser visto plasticamente. Torna-se suporte ao receber o desenho/pintura. A proposta é que o objeto se liberte de sua função e se torne um #desenhoengarrafado.

Fase #2 – Registro
A segunda fase do projeto denomina-se Registro.  Os  #desenhosengarrafados são deixados nas ruas de São Paulo. Imediatamente após o ato são fotografados com o smartphone e postados no perfil da artista da rede social instagram com a hashtag #desenhosengarrafados. O processo que determina onde irão ser deixados os #desenhosengarrafados é intuitivo. O limite de ação é a cidade de São Paulo. Nesse momento, a artista sofre influências de tudo que está a sua volta, como por exemplo, clima, tráfego de carros, movimento das ruas. O lugar onde o #desenhoengarrafado é deixado vai determinar o grau de ambição e de risco do projeto. Trata-se de um momento de aposta, de tomada de decisão. O intuito é provocar, tensionar ou reforçar estes lugares que já significam uma série de percepções para a artista. O registro é um ato premeditado, assim que o #desenhoengarrafado é deixado nas ruas, é fotografado e postado.

Fase #3 – Conexão
A terceira e última fase do projeto denomina-se Conexão. O objeto de arte vai além da dinâmica espacial do lugar onde é deixado. Nesta fase, o projeto propõe a interação fisíca e também virtual com o público.  Os #desenhosengarrafados são deixados no percurso de transeuntes. Ao serem postados na rede social instagram com a hashtag #desenhosengarrafados, o projeto revela três hipóteses:
  • a peça pode ser encontrada não só por transeuntes, como também por usuários dessa rede
  • ao encontrar um #desenhoengarrafado, o transeunte pode também fotografá-lo e postá-lo em seu perfil na mesma rede social utilizando a mesma hashtag
  • O transeunte leva o #desenhoengarrafado consigo

A Conexão revela o que acontece com os #desenhosengarrafados e também atribui às peças um preciosismo (de objeto precioso).  A proposta de tornar precioso um objeto que uma vez estava pronto para descarte, traz um caráter melancólico ao trabalho. A medida em que vão sendo postados nas redes sociais e acessados por usuários, os #desenhosengarrafados também começam a ser desejados pelo público. O fato de encontrar um #desenhoengarrafado nas ruas de São Paulo pretende gerar prazer ao público.

Registros fotográficos

Estes são os registros fotográficos de #desenhosengarrafados deixados nas ruas da cidade de São Paulo desde 2013. Estes registros foram fotografados com smartphones e imediatamente postados na rede social Instagram com a hashtag #desenhosengarrafados. Alguns desenhos foram encontrados por pessoas que os levaram para outros lugares e, por sua vez, também postaram na mesma rede social utilizando a mesma hashtag.

Sobre a artista, Andrea Brazil

Andrea Brazil Mugnaini é mãe, esposa, mulher e artista plástica. Não necessariamente nessa ordem. Tem como formação o desenho industrial e trabalhou muitos anos com publicidade, mas foi só depois do nascimento do seu primeiro filho que descobriu sua verdadeira vocação.

Mestre em artes visuais pela ECA – USP (2008). Graduada em Desenho Industrial com habilitação para Programação Visual pela UFBA (1998). Inicia sua vida profissional em agências de publicidade em Salvador/BA e, em 2000 muda-se para trabalhar com mídias digitais em São Paulo, atua principalmente nas seguintes áreas: publicidade, design para internet e marketing direto. Em 2011 muda-se para São Francisco/CA e atende a cursos de extensão em artes, ilustração, desenho e pintura na SFAI e na CCA.O interesse de Andrea se volta para as artes, especialmente para a pintura em geral. Em 2013, de volta a São Paulo, continua suas pesquisas e estudos em artes e pintura no atelier da artista Catarina Gushiken e no atelier da pintora Suzanna Schlemmn.

Tel: +55(11)99547.7572
www.andreabrazil.com.br